Sobre luzes acesas

Talvez a vida seja um imenso e interminável livro de grandes perguntas…

Quanto tempo? Como? Onde? Para que? Por que? Para quem?

Agora pouco estava admirando a cidade, deixei o olhar vagar por entre as luzes acesas de casas, e caixinhas que se amontam na vertical, quem esta ao seu lado nesse bloco? quem esta acima ou abaixo de você? Na maioria das vezes todos estão sozinhos rodeados por completos desconhecidos, creio ser uma injustiça não conhecer de fato quem esta tão perto, cada um em sua caixinha com suas pequenas estranhezas e solidões; seja como for, ainda que defendida como empoderamento, opção, a solidão não é tão bonita como se esta pregando ultimamente, ainda que as vezes, só as vezes ela seja muita necessária, a mim não há tanta beleza em um porta retrato vazio.

Uma ou outra janela me chama atenção, a parede pintada de uma cor mais forte se faz ver melhor, aguçando a curiosidade, alguém caminha dentro de uma sala vazia em silencio; em outra janela a luz da televisão ligada, e o som alto parece pedir para que o tédio vá embora, e alguém alienado no sofá espera por nada…  Barulho de chaves a porta, mais uma luz se acende, assim como uma nova estrela no céu, é com se um dia inteiro chegasse em casa, um cachorro a espera, uma troca de sorrisos,  eles brincam, é como se o dia que talvez possa ter sido ruim lhe oferecesse flores para se desculpar. Conte-me quantas vezes o sorriso de um cão foi o melhor acontecimento do seu dia…

A vida é uma grande pergunta sem certezas, sem traço certo, é essa porção tão mágica de luzes acesas nessa noite de março de lua cheia onde meus olhos se enchem de esperança, pois em algumas dessas luzes um pai acaba de chegar do trabalho e abraça seus filhos, noutra um rapaz ainda sozinho prepara um jantar especial (há velas sobre a mesa, dois pratos, taças e um aroma de romance no ar), uma senhora recebe as amigas para uma noite de musica e carteado elas estão a gargalhadas, crianças brincam em uma rua um pouco mais distante não as vejo mas consigo ouvir a contagem do pique esconde, a minha direita um cheiro de carne de panela me faz querer sair pela rua e encontrar quem a esta preparando, um casal se abraça no sofá, ela beija quem esta a seu lado e se aconchega em seu ombro, uma jovem apaga a luz  do quarto e cobre o filho sobre a lua que invade a janela fazendo sombra… A mim coube a riqueza de preencher essa noite enluarada com tantas historias, de tantas janelas, destas vastas e imensas luzes acesas que vibram vida e esperanças, e que jamais se apagam, pois os sonhos que adormecerem se acenderão com a luz de um novo dia.

D.S.L

IMG_20190302_191519782.jpg

 

 

Sobre guarda chuvas

Peço licença poética a meu grande amigo para dizer que chovera todos os dias, e haverá dias que estarei protegida por meu guarda chuvas, noutros o mesmo estará torto, quebrado, furado e então a chuva molhara parte do meu corpo, a agua recorrente respingara meus sapatos, minhas roupas; meus pés ficarão úmidos e incômodos durante todo o dia; haverá dias em que alguém me emprestara um guarda chuvas novo; noutros não haverá guarda chuvas, serei tomada de assalto pelo vento, pela inércia, pois as vezes é preciso lavar a alma.

Chovera todos os dias, em alguns estarei ou serei protegida, em outros acompanhada, e nos mais cruéis sozinha, desamparada e tremendo de frio, a espera da noite e de um banho quente que me aconchegue a alma em um abraço que amenize a sua falta, serão esses os dias em que minha fé, a nossa força, a tua força me farão escudo.

Chovera todos os dias, e essa chuva tem um só nome: saudade!

Não posso me entristecer, seria ingratidão e egoísmo de minha parte pedir aos céus mais de ti, mais da tua vida, seria insanidade de meu coração prender-te com meu amor em sofrimento e dor. Não. Suporto tua partida, entendo teu cansaço, mas não admitiria viver teu sofrimento, você era feita de generosidades incalculáveis e não seria essa a postura que sua garotinha teria frente a nossa historia tão grandiosa de amor, aprendizado, alegria e encanto.

Vá em paz minha rainha, segue iluminada e iluminando grande amor meu, pois estou pronta, madura, mulher, mas ainda assim vez ou outra volta em meus sonhos, faz-me só tua novamente e me acalenta em teu colo de mãe com mel, em teu semblante de avó de conto de fadas, deixa-me em sonho sentir novamente o perfume de canela e açúcar dos teus encantados e doces bolinhos de chuva, deixa pela manhã, após esse sonho, meu quarto perfumado com teu cheiro de lavanda.

Você me ensinou tudo, a melhor versão de todas as coisas que me encantam conheci através dos teus olhos fantásticos, imaginativos, sábios, profundos de sabedoria e brilho. As primeiras palavras, os primeiros passos, as cantigas antigas, as historias fantásticas, a proteção, o cuidado, o bem querer, o amor universal por tudo, a gratidão.

Deu-me noção de que milagres eram possíveis e reais (a tua vida, a tua historia é um deles), fez de Nosso Senhor um ser intimo, amigo e quase palpável de tamanha fé, deu-me os primeiros ensinamentos do divino, do que apenas podemos sentir, do que devemos respeitar, do quão verdadeiro devemos ser.

Quero que tenhas a noção do quão grata sou a Deus por ter você, teu sangue, teu amor, o livro mais bonito de minha vida conta a nossa historia.

Incontáveis são as vezes que tuas mãos me salvaram da dor, as mesmas mãos que amavam a terra e me ensinaram a acaricia-la, a falar com os bichos, com as flores, a perder-se admirando encantada a lua, a não temer relâmpagos e trovões, pois as tempestades eram festas no céu, o manifesto da alegria de Jesus.

Segue teu caminho minha Irene, descansa, realiza teu sonho de beijar os pés do Cristo em amor e devoção, vivencia a proximidade do trono Dele, encanta teus olhos com o manto protetor de Nossa Senhora a qual me apresentaste como advogada dos pecadores. Vai Irene! Caminha por campos floridos de cores, corre novamente, brinca com as tuas crianças que certamente te receberam em festa e luz. Vai minha avó tão amada; ainda que a saudade seja gigantesca por toda a minha vida quero saibas que estarei a te amar, vai minha avó, e prepara a minha ultima morada pois é na tua casa que hei de ficar e te amar em uma realidade possível de eternidade, luz e paz. Não termina aqui!

“… A espera de viver ao lado teu
Por toda a minha vida…” (Tom Jobim)

D.S.L

IRENE

 

 

 

Serei Jorge! _O guerreiro? _Não! O Amado!

Faz muito, muito tempo, e jurei que não…
Não deveria. Definitivamente: não! Injustamente a vida teria me escolhido para descrever sobre, observar, contar e não viver, e que essa esperança não me acompanharia mais; Jurei… E quem jura é bem verdade menti, mas então prometi… Mas em dado momento ainda que desconfiada, duvidosa, incrédula modifiquei a promessa antes mesmo de você chegar e eis que talvez tudo tenha se transformado, o senhor universo sempre conspira aos nossos olhos despretensiosamente e de um capricho divino…
Aceito, ainda que temerosa: o que se sabe da vida é nada!
Pensei que o cortejo ao caminho do tumulo seria meu melhor caminho: enterra o coração, vive outros sonhos, almeje outras histórias. CHEGA! (assim mesmo, em letras gigantes e garrafais) mas não permita que cheguem próximo a sua porta, e para que não ocorra enganos, pendure uma placa: é proibido ultrapassar; Porem o universo não concordou, ventou forte, fez-se tempestade, chuva, gelo, poeira, cegou-me, endureceu todo meu corpo, fez-me rastejar, chorar, babar, ranger, fez-me profundamente triste, para enfim gritar e novamente me estremecer: é hora de fato de enterrar todos os seus mortos, todos, é hora de sair do luto e voltar a colorir, vai que teu caminho é o mesmo de Jorge, não o guerreiro, mas o Amado.
Perdoe-me a introdução tão longa, ainda que necessária, mas essas palavras não estão aqui nesta manhã para falar de mim… E que manhã linda! LINDA!
Despretensiosamente, assim desavisada, como um samba ao longe que nos faz ter vontade de mover os pés e dançar em qualquer lugar, assim como uma cantiga antiga de Cartola, assim, desse jeito assim: encantador, leve, pairando sobre o ar, um samba para curar o abandono e a tristeza como canta a bela Maria Rita… Uma dança que fez teu olhar me convidar, assim: mesmo assim, sem perceber, duvidando, o universo a você novamente ventou forte, cegou-te, e também quebrou a tua promessa, portanto que se faça uma nova, que se aceite o meu convite: _Vem partilhar… Vem ser doce, pois tudo o que busco é alguém que tenha resposta para a minha palavra predileta, e é tão simples, tão obviou, tão conspirante a todo esse mundo tão diverso e vasto:
Quero poder te dizer: Ir! E a você cabe somente responder (desse jeito assim tão doce): Vamos!
Deixa o ponto de interrogação de lado, deixa a realidade para concretizar os sonhos que irei imaginar para nós. Andei pensando: terra não combina com agua – faz lama: atola; terra não combina com vento – faz poeira: cega; terra não combina com terra – não há transformação; mas então terra combina com fogo, mas como? Apagando? Sim, apagando tuas dores, teus medos, quebrando teu gelo, tua realidade tão profunda, apagando todos os teus pensamentos, desfazendo os teus enganos, sepultando o teu passado, para só então receber mais um convite: deite-se ao meu lado, não quero te dominar quando encaixar suavemente a tua cabeça em meu ombro, quero somente te fazer esquecer, para que você possa descansar a alma perto desse coração que tanto teima em bater forte junto ao teu abraço, ainda que eu o tenha tentando conter você conseguiu ouvir e isso te assusta e espanta, mas ao mesmo passo encanta, e te tira do chão, e te faz ter vontade de se derreter… Então vem, deixa ser!
Deixa o silencio pairar sobre nós, larga o mundo lá fora: esquece! Esquece, esquece! Deixa a minha calma conter com os olhos tudo o que não é para agora, a vida vai dando jeito, vai dando certo, o universo vai conspirando… Deixa…
Deixa ser um domingo de por do sol ao som de Maria Bethania em qualquer lugar do mundo: Bahia, Grecia, Italia, Portugal, ali em qualquer cachoeira! Gira o globo comigo, se deixe ir!
Deixa ser assim, deixa ser nós ventando em qualquer janela e espalhando um sentimento bom para quem passar, bebericando alguma coisa gelada ou quente, ou nada, deixa ser nós brincando na cozinha sem pressa, sem os pesadelos passados, deixa ser… Dança comigo, canta, se encanta, se deixa, toca a minha a mão, deixa ser enfim somente partilhar!
Deixa?!
Deus.Seja.Louvado

VILAREJO

Ir…

De todas as conversas que trocamos, de todas as palavras que confidenciamos um ao outro, dos tantos olhares cruzados, das tantas lagrimas partilhadas, da emoção perante a beleza de sentimentos expostos em qualquer lugar, a qualquer hora, transparentes, claros, nítidos, nós nos rasgamos ainda que no balcão de um bar em uma noite chuvosa e ficamos ali, olhando um ao outro com a certeza de que não estamos sozinhos, porque afinal nos entendemos milimetricamente, e foi assim que a minha palavra preferida te tocou:

Ir…

Você me assusta quando entende tão bem das profundidades, tempestades e peculiaridades que as vezes são enxergadas e vivenciadas somente após o passar dos anos, maturidade emocional e sentimental ainda é padrão para poucos, pois faz medo crescer, é de causar rubor e enlouquecimento auto analisar-se, tomar para si o que tocamos no outro, assimilar aonde o outro nos toca, mas você lê a si mesmo de maneira muito branca, ciente da relevância de cada sentimento seja ele qual for, e por quem for, você conhece a exatidão de si mesmo, ainda que não saiba, ainda que seja tão forte que não possa ser nominado, certa vez em um dos nossos muitos encontros sua camisa dizia: “a beleza de ser um eterno aprendiz”, e este é o segredo de minha palavra ir, pois ir é aprender sempre, ouvir, dizer, e aprender um pouco mais, crescer para dentro, ampliar a imaginação, amar, amar, amar…

Ir…

Sem saber…  Voar nesse trapézio sem rede, voar, voar, voar e enquanto estamos no alto sentir o vento fazer sorrir, a febre, o medo, a vertigem e a embriaguez de almas que só fazem ir. Voar! Crer na incapacidade do mal diante de corações que se deleitam no bem, na verdade, na paz, tendo o universo em parceria o qual conspira em prol de nos fazer sorrir e flutuar…

Ir…

Partilhar… O caminho, os momentos, o coração, a vida, tirando sorrisos ao acaso, fazendo encantar, emocionar, revigorando a vida, sabendo que passarinho continua voando ainda que enfrente muitas chuvas, ventos fortes, mas ciente de que sempre haverá um lugar de abrigo (você se tornou um de meus abrigos), para logo em seguida ir…

D.S.L

Ao amigo Rodolfo Simões

img_20190120_142045310_hdr28129

Sobre as necessidades do amor

Navegando pela rede, assisti um vídeo onde militares retornam da guerra surpreendendo seus familiares, a maioria crianças. Pais e filhos se abraçam como se não existisse ninguém no mundo ao redor deles, emociona a entrega do abraço o qual em silencio narra ao “pé de nossos corações” todas as horas de angustia frente a distância, o medo de não os rever, e principalmente o amor, o laço, essa prisão sem portas em que nos colocamos quando amamos alguém.

Senhores, senhoras, ouçam meu singelo, clichê e tão verdadeiro conselho: abrace, beije, chore de saudade, se deixe emocionar diante do amor, fale, fale todos os dias, telefone, viaje se preciso for, partilhem da vida, queira os encantar, entregue momentos únicos, sorria lado a lado, pois a vida é um campo de batalha, que não nos manda recado algum sobre quanto tempo ainda temos no front.

Frente a pessoa amada tenha a entrega necessária para que ela saiba a imensidão de seu sentimento, não reserve amor, não se prive de dar a quem se ama o respaldo de poder enfrentar uma guerra com a certeza de que manter-se vivo é necessário para ver aquele sorriso novamente, manter-se vivo é retornar para alguém, para um abraço, para casa. Tenha como contexto de guerra as que travamos diariamente no trabalho, nas ruas, tenha como sinônimo a morte, esse seguir adiante tão doloroso para quem fica, as vezes tão silencioso para quem parti, permita que nessa hora os céus sejam capazes de acolher suas preces, tamanho sentimento que ultrapassa qualquer fronteira, permita que o ser amado tenha a exatidão de sua importância e do quanto esse amor perdurara infinitamente.

Senhores, senhoras, ouçam minha suplica: encantem-se, deslumbrem-se, não sejam rasos, Deus os livre do blasé, da apatia de não demonstrar sentimentos, da falta de cor, Deus os livre dessa escuridão onde se oculta sentimentos tão raros, e bonitos, externem-se, sejam para fora, o amor precisa ler cartas, olhar a lua, brincar na grama, tomar banho bom de mangueira, mar, rio, o amor precisa de mãos dadas, de música partilhada, de bom dia, boa tarde, boa noite, de dorme em paz com Deus, o amor precisa de uma saudade que ainda nem é saudade mas que já se sabe, precisa de música, poesia, de flores, de chocolate, de rede pra balançar, de paz e alegria para harmonizar, da hora mágica do pôr do sol, o amor precisa de encontro aflito e ansioso por um olhar.

O amor senhores, senhoras, precisa acontecer, pois caso contrário ele morre e sem ele, Ah… Senhores, senhoras, os autossuficientes que me perdoem, sem ele, a vida não tem tanta graça, não tem magia.

Amém e amem!

D.S.L

 

img_20190113_162143660_hdr (1)*foto: @elaguimaraes09

Flutua

Doeu! Não foi bom, teve medo, ansiedade, pavor, momentos insanos de pânico e tremor.

Doeu de maneira visceral, de fazer chorar no chão de um banheiro sujo, doeu de sentir abandono, doeu de gritar, de babar, doeu!

Doeu de pensar em desistir, de não encontrar sentido, de entristecer, de não querer mais…

Doeu!

Questionei os céus, implorei, supliquei por luz, por orientação, por explicação, mas Ele não se explica.

Em delírio de febre diante de um coração dilacerado e complemente cheio de fé, Ele sentou a meu lado em uma madrugada, tocou minhas mãos, secou minhas lágrimas, mas não me permitiu dizer nenhuma palavra, Ele sabia que o silencio falaria bem mais alto, beijou minha testa, deu-me um meio sorriso e saiu pela porta de meu quarto, tal qual só um Pai pode fazer com um filho.

Na manhã seguinte quando acordei, meu corpo estava gelado, as roupas ensopadas de suor, mas já não sentia frio, a febre havia cedido, amanheci faminta depois de muitos dias sem fome, amanheci sorrindo após muitos dias de lágrimas, amanheci viva após tantos dias embriagada pela morte, amanheci grata novamente!

Ele me escreveu, deixou uma pequena carta sobre a cabeceira de minha cama. Misterioso não disse quase nada sobre o futuro, pediu cautela para o presente, e esquecimento ao passado, sobre o que vira disse que será bom, feliz, alegre, e que fará o possível para amenizar todo sofrimento que houver, que estará sempre a meu lado quando for preciso abraçar, que o amor sempre estará presente e constante em minha vida, e que um novo olhar surgira para partilhar muitas coisas bonitas, disse até que esse olhar já está por vir, ou que já chegou, mas que talvez ainda não tenha sido notado, falou sobre Irene, sobre tudo que amo, sobre meus raros, caros, e incondicionais amigos, prometeu-me momentos maravilhosos ao lado deles, e por fim me fez um pedido inesperado:

Cante! Reúna os seus e cante, e dance, e celebre, pois, quando isso acontece a pureza do coração dos que estão a teu lado, sempre contigo, também celebrando e festejando clamam a mim, fazendo-me lembrar porque a criação ainda me emociona.

Respondi prometendo amanhecer cada vez mais grata!

Deus Seja Louvado!

Tenham fé, pois o que vira de alguma forma será bom! Tenham positividade, reciprocidade, empatia, simpatia, verdade, cresçam, agigantem-se, sejam bonitos, sejam lindos, sejam de verdade, por dentro, tenham esperança, esperança, esperança, esperança, esperança, sejam do bem, da paz, do amor, creiam no poder que apenas ele pode emanar, creiam no amor de todos, para todos, iluminem-se!

Atendendo ao pedido do Pai, celebrem e cantem!

“Um novo tempo há de vencer
Pra que a gente possa florescer
E, baby, amar, amar, sem temer

Eles não vão vencer
Baby, nada há de ser, em vão
Antes dessa noite acabar
Baby, escute, é a nossa canção

E flutua, flutua
Ninguém vai poder, querer nos dizer como amar
E flutua, flutua
Ninguém vai poder, querer nos dizer como amar

Como amar
Como amar
Ninguém vai poder, querer nos dizer como amar
Como amar
Como amar
Ninguém vai poder, querer nos dizer como amar

Como amar
Como amar
Ninguém vai poder, querer nos dizer como amar
Como amar
Como amar
Ninguém vai poder, querer nos dizer como amar” ( J. Hooker)FLUTUA

O senhor das frases inacabadas

O seu coração nunca ira parar, não há silencio em minha saudade!

Queria te dizer que meus cabelos estão ficando brancos, e imagine só: não vou lutar de maneira alguma contra a natureza.

“Não se preocupe tanto! O que você tiver que “ser” nessa vida será”

“Sempre compre assento no meio do ônibus, do lado do motorista, caso aconteça um acidente as chances de se machucar são menores”

“Dirija em uma velocidade media de 80 km, qualquer imprevisto você consegue controlar melhor o carro”

“Seus textos são muito grandes, sei que são bonitos, mas não consigo ler”

“Inteligente igual a mim”

“Não consegui assistir sua apresentação de poesia porque sinto muito orgulho e não sei o que fazer nessas horas, nem o que te dizer”

“Não esquece do pai”

Ao longo dos anos essas foram algumas das coisas que ouvi de você, sempre temeroso, meio sem saber o que fazer com uma menina; Não era isso, não era o que você esperava, um menino seria tão mais simples: futebol, cuecas, carrinhos, mulheres – muitas se possível-  nenhum romantismo, sem histórias de amor, sem tocar sentimentos profundos;

Mas…  Fui uma criança muito menina: bonecas, choros desenfreados, mimos, sempre buscando um colo, sem nenhuma simpatia por esportes – ainda mais futebol – dirigir? Ah isso nunca foi para mim, mas ainda assim aprendi com você!

Um turbilhão de sentimentos, profundidades. Você me olhava assustado, podia ler seus pensamentos: ou é lunática, ou é doida, de onde vem tanta inovação e criatividade para sonhar?

Feminista, louca por livros e músicas, desconstruindo todas as suas certezas com uma frase, as vezes com um olhar. Insegura, mas forte, cautelosa, mas corajosa, fiel, argumentativa, sonhadora, romântica. Uma espécie tão estranha e nascida de uma parte de mim, como isso pode ser?

O que faço com você, como nos entenderemos se os meus pés chegam apenas a beira do lago, e você já esta tão no meio do oceano, buscando descobrir. Que gana é essa de ir, de não temer se machucar, de tirar o véu e mostrar o rosto nu, sem maquilagem, sem falsas promessas? Só a verdade. Porque você não mente um pouco e me deixa mais tranquilo?

Eu lhe disse tudo: aos gritos, aos prantos, em meio a sorrisos encantados pelos seus olhos, em silencio, sempre te disse tudo, ainda que em palavras incompreensíveis, sempre te disse tudo, sempre, sempre, sempre e para sempre, e agora meus cabelos estão ficando brancos…

D.S.L

IMG_20180925_124611379