Hoje você não precisa ser forte

Chora!

Desacelera!

Dê esse tempo para você.

Chora! Não consegue? Chora!

Chora tudo o que precisar: sem vergonha, sem medo, sem essa de que está tudo bem. Chora de soluçar, de babar, de inchar os olhos, de tremer as mãos, de cair no chão.

Chora, desespera o que está guardado, deixa sangrar de maneira hemorrágica, o motivo não está no dicionário, não há palavra que defina, se rasga, confesse a dor, chora!

Chora de olhos abertos, fechados, esfrega os olhos, trava os dentes, chora!

Sem essa de força, de sabedoria, de espiritualidade, esquece esse autocontrole, deixa a dor passar, desfaz os nos dessa garganta apertada, assusta a vizinhança com os teus soluços. Chora por você, pela saudade que vem te consumindo, pela falta de esperança, pela ausência de motivo, teus objetivos sem rumo, chora o que não deu certo, o que está doendo e que só você consegue sentir, chora o casamento, o namoro, a pessoa amada que está distante, infeliz, as tuas escolhas, chora a consequência de amar sem amor e sem limite, chora a tua culpa, o que te envergonha, o sonho que não se realizou.

Chora pelo mundo que mostra sua face mais cruel, somos exilados, criticados, julgados, ilegais, governados por velhos tradicionais, babacas babões ao lado de mulheres que parecem infláveis, falsos moralistas, sem princípios, escrúpulos e humanidade.

Chora pelo teu trabalho sem prazer: pelos cantos fofoca, pelas salas vaidade, pelo chão autoridade moralista falida.

A vida não está de férias, o quadro não está bonito, a música é triste, os dias são iguais, você desarmado em uma guerra desalmada, com frio, com sede de beleza, com o peito doente de tanto ter fé, com os joelhos ardentes de tanta oração, clamando por alivio, por graça, suplicando a todo instante para que tudo seja mais fácil, para que a luz te invada e transborde, chora esses teus dias tristes, chora tua insatisfação, a tua poesia que anda calada, escondida.

Ser forte requer verdade, e hoje a tua verdade vem do teu choro, das palavras que não se consegue rabiscar, seja fiel a você, sem plateia, sem conselho, sem amparo para a dor, sem rede social, sem telefone, chora sozinho.

Chora o teu cansaço, são muitos anos no aparente papel de vencedor, de batalha, de guerreiro forte, o principal do front, mas hoje soldado, tira a farda, olha as tuas cicatrizes, as tuas tantas mortes, abaixa a guarda, sossega o peito e chora a tua solidão, a tua falta de amor, deixa a gratidão para o amanhã, porque hoje soldado você precisa chorar; e não há nada de errado com você, os outros veem fingindo, se contemplando com tarjas cada vez mais pretas, consultórios terapêuticos, psiquiátricos, veredas da salvação buscando uma perfeição que nós não merecemos, pois somos tão somente insolentes pecadores julgando o alheio com cada vez mais afinco, bares e bocas de fumo fazendo fila, festa lotadas de gente insegura e sozinha, muitos veem fingindo soldado, você blindado de poesia e encanto muitas vezes não percebe, mas a maioria se engana e se máscara para não conhecer a verdade refletida no espelho.

Chora hoje soldado, porque amanhã o sonho de vencer essa guerra precisa estar vivo, e acredite: tudo ficara mais claro depois que os teus olhos se deixarem lavar por essa verdade contida no teu choro. Descansa soldado, fica em paz, porque hoje você não precisa ser forte.

D.S.L FB_IMG_1558871884401

Anúncios

Autor: ela...

Elaine. Ela. Helena. 17. Setembro. Há alguns anos atrás. Ascendente em peixes. Brasil. Santista de nascimento. Baiana de descendência. Mineira de coração e endereço. Muitas e de muitos tamanhos. Letras, palavras, frases. Nossa Senhora Aparecida. Família. Música. Sol. Brisa. Luar. Prefiro mar. Branco. Tenho uma irmã mais nova. Minha maior paixão tem mais de 100 anos. Abraço. Meu pensamento é hiperativo. Tenho os melhores amigos. Cometo ao menos um erro todos os dias. Converso com Deus. Já mudei de emprego três vezes, já mudei de vida outras varias. Por do sol. Não faço nada sem dois ingredientes: paixão e entusiasmo. Primavera. Beijo. Horizonte. Esperança. Cinema, quadros, composições. Já machuquei quem não merecia. Olhar. Exagerada e sensível. Carente. Bagunceira. Transparente. Meu primeiro livro publicado e grande orgulho: Quando Florescem as Orquídeas. Tenho um blog e uma coluna semanal em um jornal do interior. No mais sou abençoada. Sei dizer apenas que tudo passa!E que eu sou bem feliz! D.S.L

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s