Do alto da escada

Dias injustos: o sol não nasce, a cama não esquenta, o sono não cessa, e a hora passa apenas pro despertador, parecendo no decorrer do dia não mover os ponteiros.

O cansaço vence e a vida desgoverna.

O céu para, nem mesmo as nuvens passam, nada acontece.

O ônibus não vem, a musica não toca, ou a vida esta errada ou a gente é que atrasa.

Dias injustos: sem abraço, sem colo, conselho, cobertor, sem sabor, tem dias em que a única opção dada é a de engolir, sem mais, sem escolha para onde ir, sem hora certa pra chegar, tem dias em que a vida para ou atrasa, ou sei lá.

O grande nada, a espera de tudo, nada se põe ou opõe, nada se pode, tudo é semente, contrariar é sempre desonesto, portanto me calo, e diante desse silencio incomodo, insosso, insano, tudo parece despertar e gritar, feito louca tapo os ouvidos, quase inutilizada levanto-me causando terremotos ate ser notada, como quem quer dizer a alguém: olhe para mim .

A vida é egoísta, nos toma por inteiros, nos cansa os nervos, avermelhando os olhos, enrijecendo os músculos, nos impossibilitando de calcular os próprios pensamentos, nos preenchendo dela mesmo de tal maneira a nos deixar tontos, estarrecidos, sem ar, sem luz, sem sonhos, é como um nó de gravata apertado: sufoca, irrita, desafia e de repente afrouxa. Ela parece parar a nossa frente com as mãos nas cadeiras, dizendo em tom de deboche: vamos ver até onde vai, vamos cansar ate aonde agüenta,  e o tempo se comporta como o vento que nos amedronta do alto de uma escada, afinal o que ameaça acontecer e não acontece é o que nos faz temer.

Há dias injustos, onde me sinto como a menina esquecida na escadaria da escola, tendo como companhia seus medos, seus livros e seu anjo da guarda.

Há dias injustos mas eles passam.

D.S.L

Anúncios

Autor: ela...

Elaine. Ela. Helena. 17. Setembro. Há alguns anos atrás. Ascendente em peixes. Brasil. Santista de nascimento. Baiana de descendência. Mineira de coração e endereço. Muitas e de muitos tamanhos. Letras, palavras, frases. Nossa Senhora Aparecida. Família. Música. Sol. Brisa. Luar. Prefiro mar. Branco. Tenho uma irmã mais nova. Minha maior paixão tem mais de 100 anos. Abraço. Meu pensamento é hiperativo. Tenho os melhores amigos. Cometo ao menos um erro todos os dias. Converso com Deus. Já mudei de emprego três vezes, já mudei de vida outras varias. Por do sol. Não faço nada sem dois ingredientes: paixão e entusiasmo. Primavera. Beijo. Horizonte. Esperança. Cinema, quadros, composições. Já machuquei quem não merecia. Olhar. Exagerada e sensível. Carente. Bagunceira. Transparente. Meu primeiro livro publicado e grande orgulho: Quando Florescem as Orquídeas. Tenho um blog e uma coluna semanal em um jornal do interior. No mais sou abençoada. Sei dizer apenas que tudo passa!E que eu sou bem feliz! D.S.L

Uma consideração sobre “Do alto da escada”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s