Não converse com estranhos

Deixei de ser criança a algum tempo, não no sentido literal da palavra, mas fisicamente, em alguns aspectos emocionais – afinal vez outra me dou o direito de pirraçar, fazer mau criações, reivindicar mimos, dengos, atenção etc. – mentalmente com toda certeza e graças a Deus, pois é difícil quando o corpo cresce, a vida muda, e no quesito responsabilidade, entendimento, e “otras cositas más” o sujeito continua agindo com mentalidade de cinco anos, enfim os anos passaram e deixei de ser criança, como tantas outras coisas que deixei de ser, e assim a vida vai se tornando mais “crua”, mais branca e conseqüentemente mais triste.

Não tenho filhos, nem sobrinhos, portanto minha convivência com os “pequenos” é rara, tenho dois afilhados lindos, mas que pela falta de tempo, distancia e vida corrida, vejo muito pouco, fato contrario a minha vontade.

Com toda a distancia desses seres iluminados, esqueci-me de algumas coisas, de verdades que só eles sabem.

O fato é que a algum tempo tive o privilegio de conviver com elas um pouco mais, e então pude construir uma ponte imaginaria entre a realidade e o tempo; e a criança que deixei de ser a algum tempo pode passear por esse caminho e reviver um pouco de tudo o que havia sido esquecido indevidamente com o passar dos anos.

Enxerguei-me criança novamente e a experiência foi deliciosa.

Acreditem mesmo com toda essa parafernália tecnológica algumas delas ainda brincam de verdade, e me aceitaram no grupo, me deixaram brincar de pique esconde, estatua, corre cotia, brincar de colorir, pintar, desenhar, ler historinhas e inventá-las também, pude estar com elas e imaginar ser aquilo que bem entendesse, desde pintora de paredes com casa, tinta e cor imaginaria, a rainha, caixa de mercado, cantora, dançarina, motorista, junto a elas pude ser qualquer coisa, por que elas me emprestaram a visão mágica de um mundo esquecido na vida adulta onde tudo é possível, onde se acredita estar vendo e vivendo o que existe pra você, e permanecer acreditando ainda que ninguém mais veja ou sinta tudo o que seu olhar toca.

Não é clichê dizer que crianças são puras, pois somos nós adultos, que aniquilamos toda essa pureza, dando a elas falsos valores, preconceitos, separações, crenças absurdas, noções de desigualdade, mostramos a elas desde muito cedo que alguns nascem com certos privilégios, deixando claro que o mundo é um lugar onde todos nascem para ocupar certo espaço e que elas não terão o direito de escolher o espaço que de fato querem ocupar, somos nós que dizemos a essas crianças que nem todos os sonhos são possíveis, quando na verdade são sim. Todos os sonhos são possíveis sim! Evidente que isso não exclui a dificuldade de torná-los reais, mas são possíveis sim, cabendo a nos doutrinarmos essas crianças para que lutem por aquilo que sonharem ser, não as acometendo de previsões chulas.

Não é errado dizer que todos nascemos para o bem, preste atenção em uma criança, ou melhor, esvazie sua cabeça, sente-se no chão com uma porção de lápis de cor, uma folha de papel e gaste alguns minutos desenhando, ou de outra forma qualquer tente reviver na vida adulta sua brincadeira preferida, livre-se da crosta do tempo e permita-se viver essa lembrança, nesse momento se você acreditar muito, será puro novamente, e quem sabe assim como eu, trará para a vida adulta a fé mágica que luta acreditando que tudo pode ser possível, e se alguém lhe disser o contrario: não acredite, não dê ouvidos, lembre-se do que toda mãe ensina desde sempre: _ não converse com estranhos.

Quando fui ao encontro dessas crianças pensei em lhes ensinar alguma coisa, e ao final de tudo fui eu que aprendi e muito.

Valeu molecada!

D.S.L

* Créditos imagem http://imagensparafacebook.org/category/criancas/

Anúncios

Autor: ela...

Elaine. Ela. Helena. 17. Setembro. Há alguns anos atrás. Ascendente em peixes. Brasil. Santista de nascimento. Baiana de descendência. Mineira de coração e endereço. Muitas e de muitos tamanhos. Letras, palavras, frases. Nossa Senhora Aparecida. Família. Música. Sol. Brisa. Luar. Prefiro mar. Branco. Tenho uma irmã mais nova. Minha maior paixão tem mais de 100 anos. Abraço. Meu pensamento é hiperativo. Tenho os melhores amigos. Cometo ao menos um erro todos os dias. Converso com Deus. Já mudei de emprego três vezes, já mudei de vida outras varias. Por do sol. Não faço nada sem dois ingredientes: paixão e entusiasmo. Primavera. Beijo. Horizonte. Esperança. Cinema, quadros, composições. Já machuquei quem não merecia. Olhar. Exagerada e sensível. Carente. Bagunceira. Transparente. Meu primeiro livro publicado e grande orgulho: Quando Florescem as Orquídeas. Tenho um blog e uma coluna semanal em um jornal do interior. No mais sou abençoada. Sei dizer apenas que tudo passa!E que eu sou bem feliz! D.S.L

Uma consideração sobre “Não converse com estranhos”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s