Cegos e loucos

Entre com amor, em silencio, não faça barulho, alguém pode estar sonhando com algo muito desejado, bonito e impossível, não o resgate dessa ilusão, existem momentos que não foram feitos para acontecer, duvida disso? Olhe para trás veja quantos instantes foram desejados, criados na imaginação, e de tão intensos tiveram gosto, cheiro, textura, mas que diante da imensa força da vida simplesmente não aconteceram, deixando em nós a fatídica pergunta: por quê?

O amor que acabou e não batera a porta novamente. A amizade que não se refez. Aquela paixão que morreu sem ao menos um único beijo. As janelas que esperavam flores. O coração que merecia mais respeito e alegrias. A dedicação que não ouviu se quer um “obrigado”. A tempestade que não deixou nada no lugar. O soldado que sonhou debruçado na trincheira com o almoço de domingo e jamais voltou a abrir o portão de sua casa.

Observe de olhos fechados, assim terá a chave dos grilhões da realidade tão crua, tão nua, tão triste, o que somos? Pequenos, nada, tão humanos tentando flertar com o divino tão possível e desejável, queríamos todos ser anjos, pois a eles fora dada a dádiva de voar, enquanto muitos de nos não sabem tirar os pés do chão.

O bem oferecido, o esticar de mãos, o matar da sede, a fome alimentada, o dar sem troca, o acalento da realidade triste do desconhecido que sofre, quando se ensina se doa, o riso que provocamos, a solidão que destruímos, as lagrimas que choramos em prol de uma historia distante da nossa, a impotência de nada mudar mas sentir compaixão, em todos esses momentos por alguns instantes a vida nos da asas e uma espécie de licença para ser anjo, fazer o bem nos faz voar, acredite se quiser.

Fortaleza, ímpeto, não se apresse demais nem chegue atrasado, aproxime-se devagar, descalço, humilde, em paz e por ela, com o coração pronto para a luta, para a justa disputa, sem o medo assombroso de perder, ora essa encare-a, pois ela o levara a um novo sonho. Lembre-se: a realeza é forte, absoluta, mas solitária, seja povo, seja muitos.

Torne-se capaz de ser verdadeiro, sem meios sorrisos, palavras, desmascara-se, cultive apenas o que e quem você acredita, sem essa de engolir pessoas ou sapos, o silencio pode ser um honesto gesto de respeito, use-o sem moderação, pois as vezes é tudo o que de melhor conseguimos dar alguém.

Não seja leviano, nem soberbo, tão pouco medíocre, saiba claramente o significado dessas palavras.

Seja livre, seja mais, não seja bonzinho, ninguém o é por completo todo o tempo, seja você e tenha as asas que sonhar, deixe que a vida se encarregue de lhe dar o céu que merecer.

Tenho asas gritava a menina da janela da sala, do ultimo galho de uma arvore, do alto da cacunda de seu pai.

Tenho asas berrava a moça bêbada, emporcalhada, louca e feliz do alto do telhado escandalizando toda a cidade.

Tenho asas vociferava a mulher do alto de um arranha céu, comprometendo sua seria, sóbria, chata e inútil posição diante daqueles estranhos que mal reconheciam a si próprios diante do espelho.

Tenho asas sussurrou pela ultima vez em seu leito, onde enfim todos acreditaram que ela sempre foi capaz de voar, se ouviu de longe pelas palavras de um velho sábio que um anjo lhe emprestara asas durante toda a vida, cegos e loucos foram aqueles que as enxergaram apenas nesse ultimo vôo.

D.S.L